RESUMO PARA CONCURSO PROFESSOR TEÓRICOS DA EDUCAÇÃO TEORIA DE HENRI WALLON Wallon era médico, psicólogo e filósofo francês. Nasceu em 1872 e morreu em 1962. Membro da escola soviético, teórico humanista, propõe o desenvolvimento intelectual dentro de uma cultura humanista. Possue uma origem baseada na psicogenética e no interacionismo. A sua psicogenética, “como diz Heloysa Dantas, professora da USP e uma das autoras do livro Piaget, Vygotsky e Wallon—Teorias Psicogenéticas em Discussão, atribui a Psicologia um tratamento histórico (genético), neurofuncional, multidimensional e comparativo, tendo como Continue

RESUMO PARA CONCURSO PROFESSOR TEÓRICOS DA EDUCAÇÃO TEORIA DE PAULO PESTALOZZI Pestalozzi nasceu em Zurique, Suíça, em 1746 e faleceu em 1827. Considerado o reformador ou o promotor da escola popular. Embora a posição da pedagogia seja um pouco obscura, ele defende a idéia, de que a escola precisa simplificar os conteúdos dados e evitar a decoreba. Fundamenta a educação no respeito e no amor, como forma de reconhecer, manter e promover em cada ser a dignidade da pessoa. Pestalozzi foi o educador que pôs Continue

RESUMO PARA CONCURSO PROFESSOR TEÓRICOS DA EDUCAÇÃO TEORIA DE VIGOTSKY Vigotsky, psicólogo nasceu na Rússia em 1896 e morreu em 1934 com apenas 37 anos, vitima de tuberculose. Estudou na Universidade Popular de Shanyavoskii, formando-se em direito, mas também se dedicou aos estudos intelectuais de Filosofia, Literatura, Historia e Psicologia. Estudou Francês, Alemão, Inglês, Hebraico, Latim e Grego. Teve um tutor particular até entrar na escola, para fazer o curso secundário, graduando-se com medalha de ouro. Desde adolescente, seus colegas o chamavam de “o pequeno Continue

RESUMO PARA CONCURSO PROFESSOR TEÓRICOS DA EDUCAÇÃO TEORIA DE PAULO FREIRE Nasceu em Recife Pernambuco em 1921, e morreu em São Paulo vitima de infarto agudo do miocárdio, no ano de 1997. Aprendeu a ler com os pais, á sombra do quintal de casa, sua alfabetização partiu de palavras de sua infância, de sua prática, de suas experiências como criança. Seu giz era os gravetos da mangueira em cuja sombra aprendia a ler, e seu quadro era o chão. O seu pré-escolar foi informal e Continue